Claustro Real do Mosteiro da Batalha

Na pequene cidade de Batalha encontra-se um dos mais belos, se não é mesmo o mais belo, monumento gótico português, o Mosteiro da Batalha. Este mosteiro, símbolo da independência de Portugal em relação a Castela, foi edificado em torno do seu Claustro Real, o Claustro de Dom João I. Vamos apresentar neste nosso artigo este fantástico claustro, frequentado por frades até ao século XIX, onde a Arte Manuelina encontra o seu esplendor.

Claustro Real do Mosteiro da Batalha

Claustro Real do Mosteiro da Batalha

Colunas do claustro

Colunas do claustro

O Mosteiro da Batalha, articulado em torno do Claustro Real, com a igreja de um dos lados, os outros edifícios nos outros lados, de 50 m cada um. O claustro, de forma quadrada, é cercado por arcadas em ogiva, dispostas num só piso. O primeiro arquitecto do claustro foi Afonso Domingues, criador inicial do projecto arquitectural do mosteiro. Dele, guardamos o inicio da obra, em 1386, e as duas primeiras galerias do claustro.

Jardins do claustro

Jardins do claustro

Brasão no cruzamento das ogivas

Brasão no cruzamento das ogivas

A obra será depois completada pelo Mestre David Huguet, que introduziu no país o Gótico Flamejante, e depois por Martim Vasques. Só em 1515 é que o claustro ficará completo, quando Mateus Fernandes dará os últimos retoques, de Arte Manuelina, durante o reinado de Dom Manuel, reinado esse que correspondia ao apogeu do Império Português.

As esculturas são fenomenais

As esculturas são fenomenais

A fonte

A fonte

Cada galeria do claustro é formada por sete arcadas em ogiva, ricamente decoradas, com motivos vegetais e emblemas reais de Dom Manuel: cruzes de Cristo e esferas armilares. No lado Norte podemos encontrar o Lavatório dos Dominicanos, onde os frades vinham lavar-se as mãos. Este lavabo foi decorado por Diogo Boitaca (ou Boytac, o que deixa pensar que ele pudesse ser de origem francesa). Não existe um unidade entre as diferentes galerias, cada uma sendo uma descoberta por si só.

Detalhe da decoração manuelina numa das arcadas

Detalhe da decoração manuelina numa das arcadas

A esquerda, a entrada do Lavatório

A esquerda, a entrada do Lavatório

Em frente à Sala do Capitulo encontra-se, no chão, as datas de morte de alguns frades dominicanos. Cada pedra datada corresponde a um túmulo, como aquele do bispo de Ceuta, que pode ver aqui em foto. O Claustro Real é muito diferente do Claustro Afonso V, que é mais modesto: era um claustro secundário, ao contrário do Claustro Real, o maior e principal claustro do Mosteiro da Batalha.

Fotos do Claustro Real

Tumulo do Bispo de Ceuta

Tumulo do Bispo de Ceuta

Marca de fabrico dos trabalhadores

Marca de fabrico dos trabalhadores

A patina do chão

A patina do chão

Detalhe de uma coluna

Detalhe de uma coluna

Cada arcada é ricamente decorada

Cada arcada é ricamente decorada

O claustro foi decorado de maneiras diferentes

O claustro foi decorado de maneiras diferentes

Mistura de gótico e de manuelino nas arcadas

Mistura de gótico e de manuelino nas arcadas

A igreja domina o claustro

A igreja domina o claustro

O trabalho da pedra é minucioso

O trabalho da pedra é minucioso

A direita, o Lavabo, fonte onde os frades vinham lavar as mãos

A direita, o Lavabo, fonte onde os frades vinham lavar as mãos

Ogivas do claustro

Ogivas do claustro

A agua da fonte onde vinham os frades lavarem as mãos

A agua da fonte onde vinham os frades lavarem as mãos

Portal manuelino

Portal manuelino

O lavatório funciona sempre

O lavatório funciona sempre

Tags: , ,

Um comentário para “Claustro Real do Mosteiro da Batalha”

  1. Arminda de jesus dit :

    Sou portuguesa, vivo no Brasil há 60 anos. Não conheço Portugal, apenas por fotografias. Fiquei encantada com a arte Manuelina do século XIX, senti vontade de viajar hoje mesmo, para fotografar cada pedacinho do Convento de Cristo e do mosteiro da Batalha; este nome não é desconhecido, pois meus pais falavam muito nas belezas de Portugal. Estou começando a pintar em tela e estas imagens me deram muitas ideias. Amo o Brasil, mas Portugal está em meu coração!

Deixar um comentário